imagebyname

É difícil achar alguém que nunca tenha ouvido falar nele, mas Gray Cook é o criador do famoso sistema de triagem de movimento, o FMS. Em mais uma excelente entrevista realizada pelo Dr. John Rusin, também publicada no site T Nation, Cook fala sobre o CrossFit, lesões e o FMS.

Você pode conferir o original aqui.

Boa leitura!

Pedro Emerson.

Dr. Rusin: Qual é a sua opinião sobre a incidência de lesões no CrossFit?

Gray Cook: O CrossFit acelerou a nossa exposição a técnicas inovadoras de bodyweight e levantamento olímpico. Muitas pessoas aprenderam sobre técnicas de escolas antigas e novas através do CrossFit.

A evolução moderna do fitness tem sido muito rápida, em fast forward, causando alguns problemas quando se quer obter resultados rapidamente. Mas não creio que seja um problema do CrossFit. O praticante comum de fitness desconhece a melhor maneira de “consumir” essa evolução.

Crossfit nos deu um modelo que poderá ser, potencialmente, o veículo de como nós realmente mudamos a educação física em nosso país.

Quando você se torna grande e popular, você deve estabelecer algumas abordagens sistemáticas de modo que tudo que esteja fazendo seja sustentável.

Dr. Rusin: Qual é o movimento potencialmente mais debilitante no treino de CrossFit?

Gray Cook: O levantamento olímpico. Por quê? Porque exige muito boa movimentação por parte do atleta, um treinador muito bom, uma quantidade enorme de habilidade e técnica, e depende do feedback entre atleta e treinador.

Se um atleta não tem uma base adequada de mobilidade, estabilidade e técnica, o levantamento olímpico pode ser potencialmente lesivo.

Faz muito sentido realizar um deadlift tecnicamente perfeito antes da execução de um movimento como o clean.

Os movimentos que envolvem tanto a carga pesada quanto o aumento da velocidade da barra, exigindo um certo nivel de habilidade, são potencialmente os mais perigosos, mas também são o maior objetivo de todos os levantadores.

Quando as repetições e o tempo tornam-se o foco, supõe-se que a técnica não importa mais. Nos treinos de levantamento olímpico profissionais é sempre a técnica que importa; a técnica é sempre o gargalo da limitação.

Se o tempo for considerado na programação, eu prefiro ver levantamentos com limitações técnicas em oposição aos levantamentos olímpicos. A execução dessas altas cargas com volumes ridículos pode determinar quem está sendo preparado e quem vai se machucar.

Se você quer fazer altas repetições para ver como está sua técnica, tudo bem. Mas é necessária a presença de alguém para monitora-lo. Eu só estou interessado no quanto você pode realizar com uma boa técnica.

O treinador deve controlar o tempo tendo por base movimentos mecânicos técnicos precisos, e não o contrário, quando o atleta controla o tempo executando grandes levantamentos com uma técnica pobre. Esse procedimento vai ensinar os atletas a possuirem sua própria técnica.

How-to-Prevent-Injury-in-CrossFit

Dr. Rusin: Como fisioterapeuta, quais são os tipos mais comuns de lesões que você vê no CrossFit?

Gray Cook: os dados mostram que o fator de risco número um para levar a uma lesão futura é ter tido uma lesão anterior.

Muitos atletas retornam aos treinos sem terem se recuperado completamente de uma lesão, em parte por decisão do próprio atleta, em parte por causa do sistema médico.

É difícil afirmar que um tipo de lesão acontece com mais frequência no CrossFit, mas sim, um cenário  de ambiente metabólico e cargas pesadas aliadas a quantidades absurdas de estresse tendem a “despertar” antigas lesões, neglicenciadas no passado pelo atleta, pelo especialista em reabilitação ou pelo treinador.

A parte inferior das costas, ombros e joelhos frequentemente absorvem o impacto das batidas quando se fala sobre taxas de lesão no Crossfit. Mas com boa mobilidade, estabilidade e técnica, muitas desas lesões comuns podem ser evitadas.

Basta conferir o trabalho que Kelly Starrett vem realizando em San Francisco CrossFit com seus atletas.

Dr.Rusin: Qual sua opinião sobre o treinamento para desenvolvimento de atletas estilo CrossFit e o treinamento para desempenho em esporte específico?

Gray Cook: Nós usamos implementos de carga e estilos de treinamento tipo CrossFit em treinamentos atléticos de alta performance? Sim, mas temos feito por mais de 100 anos.

Ferramentas como o kettlebell podem preencher lacunas nos treinamentos de performance nos esportes, até mesmo em níveis elevados, como o NFL força e condicionamento.

Será que os treinadores de performance – que já alcançaram bastante sucesso  implementando programas que correspondem às necessidades específicas do esporte – vão parar de realizar o que tem sido trabalhado para adotar um programa estilo Crossfit? Provavelmente não.

O que os treinadores farão de bom grado será introduzir movimentos popularizados pelo CrossFit  e que tenham sido testados em campo, sob os ambientes metabólicos mais severos, em todo o fitness.

Muitos dos exercícios que vemos no CrossFit podem ser estrategicamente direcionados para o esporte de performance e vice-versa.

Dr. Rusin: Se você fosse mudar alguma coisa na programação do CrossFit, o que seria?

Gray Cook: CrossFit necessita dispender o tempo que for necessário definindo as capacidades do indivíduo para estabelecer um WOD, ou definir um trabalho específico all-inclusive para todos.

As pessoas desconhecem suas próprias limitações, o que às vezes leva a situações que aumentam o risco desnecessário de lesões durante o treino.

Muita gente embarca cegamente nesses ambientes desafiadores, não sabendo realmente do quê são fisicamente capazes de fazer sem se machucar. É necessário proteger os atletas e oferecer algumas alternativas na programação para ir ao encontro da sua situação funcional atual.

Dr. Rusin: Você acredita que o CrossFit é potencialmente a modalidade de fitness popular praticada atualmente que mais causa lesões?

Gray Cook: Seria muito fácil para as pessoas assumir que sim, devido justamente à grande popularidade do CrossFit.

Se observarmos ocorrências como as taxas de lesão do LCA por não contato em mulheres e o número crescente de concussões no futebol do ensino médio, devemos ficar mais preocupados pelo fato da programação do desenvolvimento do esporte juvenil estar causando mais lesões do que o CrossFit.

Outros profissionais de fitness cometem os mesmos erros que os treinadores de Crossfit. Às vezes, como treinadores, exageramos criando ambientes metabólicos extremamente desafiadores, tentando maximizar o efeito de um treinamento, e não avaliamos as habilidades dos atletas.

Dr. Rusin: Como os treinadores podem proteger os praticantes de CrossFit?

Gray Cook: Tendo certeza de que cada movimento programado no WOD tem modificações viáveis para atletas que não estão aptos a executar um movimento de nível mais elevado sem aumentar o risco de lesão.

Isso pode exigir que o treinador tenha que checar se um atleta pode executar um WOD diariamente, como está, ou se é necessário simplificar um ou dois movimentos.

Conhecendo os movimentos que as pessoas tem dificuldade, de modo que elas não precisem entrar em um ambiente metabólico altamente desafiador, esses movimentos podem trazer para o atleta e para o esporte muita coisa boa.

Nosso trabalho como treinadores é expor nossos atletas a novos exercícios e novas combinações, não necessariamente forçar modelos de treinamento que podem não ser apropriados para um conjunto de habilidades ou nível de condicionamento de alguns alunos.

Se olharmos para o CrossFit como um outro veículo para a educação física de adultos, a exposição controlada a algo novo é o brilho do WOD. A razão de existirem treinadores no CrossFit é ajudar cada atleta a participar, modificando movimentos a um ritmo que permita a ele ser independente e manter uma continuidade .

Dr. Rusin: A triagem do movimento é uma simples ferramenta usada por quase todas as organizações profissionais esportivas. Como foi possível FMS se encaixar no CrossFit?

Gray Cook: Quando você está ganhando um novo consumidor de Crossfit, ou reavaliando situações que ocorreram durante o treino, obviamente queremos colocar uma métrica no movimento juntamente com outras métricas de desempenho, como força e capacidade metabólica.

A triagem do movimento é um pequeno medidor onde vemos se o seu movimento declinou abaixo de um ponto determinado e, se assim for, precisamos remediar. Conversei com o Dr.Stuart McGill sobre isso em detalhes, e o resumo é: eu lhe treino ou lhe corrijo?

Se você tem capacidade física para executar uma técnica, então, realizá-la corretamente proporcionará ambos os micronutrientes da mobilidade e estabilidade que estão por trás de tudo que o torna mais forte.

Mas se você tem movimentos fundamentais comprometidos, mesmo os melhores treinadores do mundo não conseguiriam trabalhar esses movimentos.

A triagem mostra os problemas potenciais que o estão impedindo de evoluir na plataforma de aprendizagem. É importante corrigir essas disfunções e, ao mesmo tempo, parar de sobrecarregar esses padrões defeituosos.

Para um padrão de movimento que é considerado disfuncional, a melhor evidência aponta para não sobrecarregá-lo. Em primeiro lugar, ele poderia tornar-se prejudicial. Em segundo, nenhuma adaptação boa e rápida poderia ocorrer, porque a adaptação física depende de algo que ninguém rastreia, e isso é uma resposta física positiva.

Injury

Dr. Rusin: Lesões no esporte não são nada de novo. A epidemia de concussão de NFL tornou-se um problema tal que a NFL teve que agir. Você vê o CrossFit tendo esse mesmo tipo de epidemia de lesões músculo-esqueléticas a ponto de alguma coisa ter que ser feita para resolver o problema antes que ele saia de controle?

Gray Cook: Sim, provavelmente. Se identificarmos que você está comprometido antes de participar de um WOD e se machucar, nós podemos ajudá-lo. Esse é o ponto. Se começarmos a ver o declínio da sua integridade de movimentos, poderemos implementar medidas adequadas para protegê-lo.

Você acha que as pessoas em apenas um dia têm um ataque cardíaco, ou que por cinco anos o colesterol e a pressão arterial estavam subindo, a circulação e a respiração estavam enfraquecendo, e o coração estava se tornando menos harmônico que o resto do corpo?

Existem tantos indicadores que é possível identificar um problema cardíaco antes que ele ocorra. Atualmente a detecção precoce funciona para muitos problemas médicos, exceto para lesões músculo-esqueléticas.

Nós esperamos até o joelho doer, e quando vamos a um especialista em joelhos, o que vai ser encontrado? Um problema de joelho. Ele nunca vai dizer que você tem uma restrição no quadril ou no tornozelo. Ele vai dizer “você não deveria ter feito agachamentos”, agora vou ter que reabilitar o seu joelho.

Se pudéssemos simplesmente comparar movimentos antes de começar os treinamentos, poderíamos detectar episódios de lesões ou dores secundários ao treinamento.

Dr. Rusin: Você tem trabalhado com atletas de diferentes níveis. O que diferencia o CrossFit?

Gray Cook: CrossFit realizou algo para o qual estávamos preparados. Combinou alguns movimentos de peso corporal com movimentos de levantamento de peso, combinou objetos como cordas, kettlebells, anéis e halteres em uma nova e revigorante maneira de estimular as pessoas.

O CrossFit pôs o foco no movimento e não na perda de peso. Quando as pessoas mantém o foco no movimento e seguem melhorando, o que acontece? Elas perdem peso.

Aqui está o problema. Todos querem se movimentar, mas nem todos são capazes de se movimentar corretamente.

Os padrões de admissão dos militares nos Estados Unidos caíram cinco vezes desde 1965, porque não era possível admitir pessoas para servir enquanto se mantivéssemos os mesmos padrões físicos a que nossos avós se submetiam para ir à Segunda Guerra Mundial.

O CrossFit tinha uma solução surpreendente para uma sociedade sedentária. O problema é, enquanto o CrossFit torna-se maior, nós, a civilização ocidental, estamos em declínio físico. A mentalidade ocidental é falha.

A primeira vez que você viu um clean, você tentou fazer a mesma coisa com pratos de 45 quilos em cada lado da barra, não com um cabo de vassoura, como os atletas europeus aprendem a fazer.

Essa é a mentalidade ocidental; nós achamos que estamos capacitados para executar qualquer movimento louco, simplesmente porque queremos.

Infelizmente, em nosso cenário atual de fitness, para manter seus clientes seguros você deve perguntar primeiro sobre a saúde, antes das questões sobre fitness. Todos pensam que sempre haverá uma solução de fitness para problemas de saúde.

Acho que se o CrossFit pudesse assumir a liderança com um pouco mais de sistematização, poderíamos usá-lo como um exemplo para a plataforma futura de educação física

Comentários

comentários